SOMBRAS

Uma reflexão acerca da violência doméstica.

Ficha Artística

3 artistas em digressão

Direção Artística

Sérgio Fernandes

Interpretação

Ana Gabriel

Composição musical

Ferdinand Breil

Figurinos

Ana Baleia

Cenografia

Tó Quintas

Máscara

Nuno Pino Custódio
Sérgio Fernandes

Olhar Exterior

Anna Toews
Beatriz Cantinho
Pedro Diogo

Operação técnica

João Veiga

Apoios:

SOMBRAS

NOVA CRIAÇÃO - em breve.

A nova peça do Teatro Só – SOMBRAS – propõe uma reflexão acerca da violência doméstica.

Seguindo um estilo de encenação que tem sido característico da nossa companhia de teatro, a peça incide sobre o sentimento e manifestações íntimas da vítima, dispensando o retrato mimético da violência e o exame moral. Nesta abordagem intimista o público é testemunha do sofrimento, desconsolo e desespero que perpassam os silêncios e interrogações de uma vítima de violência doméstica. Esse lugar mental, que em tudo se assemelha a um quarto bafiento sem luz nem janelas, é de difícil acesso.

O Teatro SÓ, privilegia por isso a poesia visual em detrimento da palavra como método de abordagem dos estigmas sociais, transversais a diversas sociedades e gerações, convidando o público a uma involuntária cumplicidade. A abordagem de um tema tão complexo como o da violência doméstica merece principal destaque aqui  atendendo que se trata de um espetáculo de rua, em andas, desenhado para o espaço público. Tudo aquilo que um tabu não deseja para si mesmo.